21 agosto 2011

Um tom que tenha ficado.

E sem querer não foi marcado
  Será que é falta de atenção?
 O atuante com o seu objeto amado,
      Seu corpo desdobrado,
  Falando na multidão.

                                                     Não há mais beleza do que nas madrugadas
                                                               Onde o encontro vira cavalgada
                                                                   De proposta e provocação.

   Mas, depois, quando o suor escorria
 No rosto, com a face do dia
   Ilustrando o que há na criação
 Os que se encontravam junto a lua
  Esquecendo a vida e firula
 Se entregando nesta imensidão
Despertam a beleza na sua derivação.

                                                           Neste ódio chamado 'tíatro'
                                                            Com pouco o grande estrato
                                                         De que a vida pára na ocasião.
                                                             Não há sentido nem teoria
                                                            O que resta é a poesia...
                                                        O que resta é POESIA.

Até parece que vale a pena viver...



2 comentários:

Nádia disse...

Vale a pena poesia, vale a pena poesia!!!

Fernando Cruz disse...

Moreno poeta! Testa na cena, testa de ferro!